Pensando o relacionamento entre Ética e Estética

Pensando o relacionamento entre Ética e Estética

(Fragmentos de um Projeto de Pesquisa – 2003)

 

Linha: Ética e Estética – estudos de problemas e conceitos referentes às relações entre Ética e Estética no pensamento moderno e contemporâneo.

 

TEMA do Plano de Pesquisa: Pensar o relacionamento entre ÉTICA e ESTÉTICA na criação artística.

 

JUSTIFICATIVA: O ponto de partida é o interesse, a preocupação com o indivíduo artista. O conscientizar-se de ser artista, e de procurar na Arte mais que a satisfação de pulsões inconscientes, mas a razão última da própria existência.

 

            O indivíduo-artista busca equacionar ética = estética, e descobre a necessidade da Imanência na transcendência do Ego. Dirige o olhar, a sensibilidade, a razão e a intuição para o mundo que o cerca, e torna-se agudamente consciente de que todos os tempos históricos coexistem no agora da Humanidade e nos tempos internos de cada indivíduo.

 

            Percebe a realidade dos estados alterados de consciência: o sono, o sonho, o delírio, o erótico, a rotina, o discurso, a atenção, a vivência religiosa, a certeza atéia, a criação artística-científica-filosófica. Todos estes e muitos mais são diferentes estados de consciência.

 

            Em êxtase (ex = fora, stasis = parar, ficar), o indivíduo-artista, fora de si, observa-se, transforma-se e é transformado quando a razão, subjugada, é passiva e paciente da ação de algo além, ao mesmo tempo transcendente e imanente ao indivíduo.

 

            Esse algo é a Ética: mais que uma disciplina de conduta, a própria natureza humana. E a Ética pode se expressar esteticamente. O ético-estético transforma não somente ao indivíduo-artista, mas todos que o contemplam.

 

 

 

Termos:

            Ética « Etologia, Estética, Arte, Contemplação, Êxtase, Bem, Transformação, Imanência, Transcendência, Ação, Afecção, Afeto, Consciência, Autoconsciência, Ego, Eu, Experiência, Interpretação, Essência, Eidético {eidos ® para Platão o eidos das coisas é a imagem que oferecem quando são contempladas pela visão, e idéia o que são verdadeiramente, o caráter eidético será próprio das essências}, Episteme ® Michel Foucault chamou episteme, e também “campo epistemológico”, a estrutura subjacente e, com ela, inconsciente, que delimita o campo do conhecimento, os modos como os objetos são percebidos, agrupados, definidos. A episteme não é uma criação humana; é, antes, o “lugar” no qual o homem está instalado e a partir do qual conhece e atua, de acordo com as regras estruturais da episteme. … A episteme moderna desenhou inclusive o perfil do homem como “o que faz sua própria história”, porém “fazer sua própria história” é algo inscrito no âmbito de uma episteme. Assim, pois, não é, na realidade, o homem o que faz sua própria história, senão que a episteme faz tal homem (que deste modo deixa de fazer, literalmente, ou absolutamente, sua própria história). N. ABBAGNANO, Dicionário de Filosofia.

 

            Deleuze: “A função da Filosofia é INVENTAR conceitos”.

                           “A vida é criada por contemplação”.

                           “Eliminação da ação pela beleza”.

 

Bibliografia Básica:

BARUCH de SPINOZA. Ética Demonstrada à Maneira dos Geômetras. Texto integral. Tradução de Jean Melville do original Ethica Ordine Geometrico Demonstrata. São Paulo, Editora Martin Claret, 2002.

 

NICOLA ABBAGNANO. Dicionário de Filosofia. Tradução coordenada e revista por Alfredo Bosi, do original Dizionario di Filosofia. São Paulo, Editora Mestre Jou, 1970.

 

MICHEL FOUCAULT. Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento, coleção Ditos e Escritos vol. II, organizador Manoel Barros da Motta, tradução de Elisa Monteiro da série original Dits et écrits. Editora Forense Universitária LTDA. Rio de Janeiro e São Paulo, 2000.

 

MICHEL FOUCAULT. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema, coleção Ditos e Escritos vol. III, organizador Manoel Barros da Motta, tradução de Elisa Monteiro da série original Dits et écrits. Editora Forense Universitária LTDA. Rio de Janeiro e São Paulo, 2000.

About these ads

Sobre Eduardo Bernini.·.

Elder de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD). Psicoterapeuta Psicanalista. Violonista erudito. Regente. Compositor. Professor Universitário. Um pacifista convicto, alguém tranquilo, estudioso, extremamente caseiro e família. Minha esposa Andréa é a pessoa que mais amo em minha vida, é uma excelente companheira e celebramos 19 anos de muita paz e perfeita harmonia! Passo os dias lendo, escrevendo, estudando música, teologia, filosofia, psicologia, psicanálise, literatura e arte - e ensinando tudo o que estiver ao meu alcance. Adoro atividades manuais! Cinema é outra grande paixão! O auto-aperfeiçoamento constante é minha forma de celebrar a vida! Não suporto egoísmo e egocentrismo - "o homem que não vive para servir não serve para viver". Cada pessoa é o centro de seu próprio universo. Por ser religioso, respeito infinitamente a Fé particular de cada um. Atualmente a Psicanálise é a minha principal atividade, mas trabalho também compondo trilhas musicais e sonoras para filmes, documentários e peças de teatro.
Esse post foi publicado em Filosofia. Bookmark o link permanente.